Conclusão de obra e a ABNT NBR 15575:2013

Em julho de 2013, foram publicadas as NBR 15.575/2013 – Edificações Habitacionais, partes de 1 a 6, mais comumente conhecidas por “Normas de Desempenho”.  Esse conjunto de normas vem causando grande tumulto entre construtores, engenheiros e arquitetos da Indústria da construção civil. Todos os empreendimentos de cunho habitacional, cujos alvarás de construção foram emitidos a partir dessa data, estão submetidos aos critérios impostos por essa normativa.

A origem principal dessas discordâncias, encontra embasamento no conceito primordial das normas, originária das filosofias japonesas de qualidade total. Tais preceitos, demostram que existe a necessidade de responsabilidade solidária entre os envolvidos nos processos de concepção, fabricação, construção, uso e operação das edificações habitacionais.

NBR 15.575/2013 nasceu do consenso da sociedade civil, acerca da necessidade de busca de soluções para transformar e qualificar o mercado habitacional brasileiro, cujos entes envolvidos ou não, no processo de produção e operação das edificações foram partícipes das reuniões de estudo e definição da norma (Cbic/Sinduscons, Associações de Engenheiros e Arquitetos, IPT, Secovi, CEF, Entidades envolvidas com o meio ambiente, entre outros).

Essas normas não foram criadas com o intuito de complicar ou até de aumentar as responsabilidades dos atores comprometidos no processo produtivo das obras, pelo contrário, um dos objetivos das “normas de desempenho” foram de determinar e dividir as responsabilidades das operações de construção e uso das edificações, que antes da publicação, não existiam, e eram decididas por longos litígios, sendo cada caso tratado de maneira específica.

No entanto, nos estados onde o volume de construção é mais elevado, os problemas enfrentados pelas construtoras e incorporadoras diante do crescente número de casos de ações judiciais em função do descumprimento dos requisitos apontados pela NBR 15.575/2013, já são evidentes.

As deficiências de desempenho observadas nas construções, podem possuir origem nas mais diversas etapas do ciclo de vida dos empreendimentos: concepção, planejamento, execução e uso. As três primeiras são, de responsabilidade do executor e incorporador, no entanto, a última é de responsabilidade dos moradores, proprietários e síndicos das edificações.

Código de Defesa do Consumidor, no parágrafo único do Art. 50, atribui ao consumidor o direito de que as informações de uso, operação e manuteção sejam emitidas através de manual do usuário, assim como, a obrigatoriedade de entrega desse manual por parte do fornecedor, prezando pela transparência entre as relações de consumo. A NBR 5674/2012:  Manutenção de Edificações – Procedimento, determina as diretrizes para elaboração de programa de manutenção predial por parte dos usuários das edificações, mas, atrela a sua elaboração à presença de alguns documentos fornecidos pela construtora, dentre eles está o Manual de Uso, Operação e Manutenção da edificação.

Nesse contexto, a NBR 14037/2011: Diretrizes para Elaboração de Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações – Requisitos para Elaboração e Apresentação de Conteúdo, foi publicada com o intuito de padronizar e parametrizar o tipo de informação necessária ao uso e manutenção de edificações. Em seu texto, essa normativa, além de alertar o construtor acerca da obrigatoriedade de entrega de manual do proprietário, contempla também, informações acerca dos processos de Garantias Legal e Contratual e as condições de perda dessa garantia por parte do usuário.

A Garantia Legal imposta pelo Código Civil aos empreiteiros executores de bem imóveis, é de cinco anos, conforme Art. 618, entretanto nesse período, várias são as atividades decorrentes da manutenção predial que já de deveriam ter sido realizadas, para que fosse possível garantir que, a maioria dos sistemas prediais, funcionassem com o desempenho desejado.

NBR 15575/2013, também estabelece critérios e prazos bem definidos acerca das garantias legais mínimas requeridas, assim como determina prazos mínimos para a vida útil de projeto dos sistemas prediais, sendo mantidas as atividades de manutenção predial propostas pelo programa de manutenção predial da NBR 5674/2012.

Cada ente envolvido com a edificação, desde a concepção à utilização, possui seu conjunto de responsabilidades bem definidos pela normalização e legislação vigentes, então, por que esse elevado número de litígios judiciais? Por que, que as construtoras e incorporadoras, via de regra, “dão-se mal” nesses litígios, já que as causas de manifestações patológicas, de anomalias e falhas não necessariamente possuem origem na construção?

Essa resposta, parece estar relacionada com uma etapa da fase produtiva de um empreendimento, que é de responsabilidade do construtor, obviamente. Essa etapa é composta por atividades importantes, que tanto proporcionam informações indispensáveis para o início da nova fase do ciclo de vida da edificação, como proporcionam ao construtor, a garantia de que, se o empreendimento não for mantido da maneira adequada, ele se exime da responsabilidade de possíveis anomalias decorrentes de tal atitude. Essa etapa é denominada de Finalização (Encerramento) do Projeto.

Algumas atividades compõem essa etapa do processo produtivo de uma obra, no entanto, a grande parte dos construtores desconhecem sua importância, ou até mesmo, sua existência. Na disciplina de Gerenciamento de Projetos, o PMI – Project Management Institute – associação de fomento, indica em sua principal publicação – o PMBOK – todas essas atividades. Na construção de edifício habitacionais, podemos destacar as seguintes atividades:

  • Obter a aceitação pelo cliente ou patrocinador para encerrar formalmente o projeto;
  • Fazer a revisão pós-projeto;
  • Arquivar todos os documentos relevantes do projeto;
  • Encerrar todas as atividades de aquisições, assegurando a rescisão de todos os acordos relevantes;

O processo de entrega de uma edificação ao consumidor final, deveria contemplar diversas atividades que seriam relevantes tanto para garantir a qualidade final do empreendimento, mas também, como fonte geradora de provas em possíveis ações judiciais futuras.

A aceitação da obra por parte do cliente, através da realização de uma Inspeção Predial de Entrega de Obra, sendo realizado todos os testes necessários aos sistemas da edificação (Diretrizes da Engenharia Diagnóstica – Instituto de Engenharia);  entrega formal e explicação do Manual de Uso, Operação de Manutenção que, além das informações básicas, contivesse todos os dados necessários para que o condomínio desenvolvesse um programa de manutenção da edificação, tais quais: periodicidade de manutenção, escopo das manutenções, formato dos registros das manutenções,  qualificação necessária para as empresas que realizaram as atividades de manutenção; Entrega formal de documentação de condomínio (projetos completos, atas, memorial de incorporação, etc.); auditoria periódica de manutenção predial, entre outros processos, são aspectos que minimizariam as possibilidades de ações judiciais e até, potencializariam as possibilidade de teses de defesa por parte das construtoras em possíveis embates na justiça.

Em uma ação judicial originada pelo condomínio, e que a construtora não seja responsável pelas anomalias ou falhas observadas, a inversão do ônus da prova pode recair sobre a construtora e, sem as informações acerca das atividades de manutenção predial desempenhadas pelo condomínio, a empresa não pode comprovar que a causa daquele problema não tenha sido uma manutenção inadequada, ou inexistente. Um processo de entrega de obra eficaz, ainda pode ajudar o construtor em litígios, mesmo que não haja nexo causal com as atividades de manutenção, simplesmente, por demostrar que, o construtor possui idoneidade no processo.

Diante do exposto, a distribuição de responsabilidades entre produtores e usuários (consumidores) é a temática da normalização atual, apesar do paternalismo judicial em determinadas situações. É condição sine qua non que os empresários da construção civil se conscientizem do seu papel e, comecem a profissionalizar melhor os seus processos internos e, a analisar os custos e despesas de construção de forma mais holística, com vistas a minimizarem os ônus que ainda incidem sobre suas empresas.

Fábio Giovanni

Engenheiro civil formado pela Universidade Federal da Paraíba, Membro do IBRACON, Alconpat e ACI, publicou vários trabalhos científicos em congressos e simpósios nacionais e internacionais, na área de construção de edifícios, gestão e gerenciamento da construção civil e patologia das estruturas.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

entre para nossa lista VIP e receba conteúdos com exclusividade

Veja mais

Técnica de injeção de fissuras

Em virtude da última postagem, recebi muitas mensagens pelo direct solicitando maiores explicações sobre a tecnologia de injeção de fissuras nas estruturas de concreto armado. Então, farei esta postagem pra explicar um pouco melhor.   A técnica consiste basicamente em se aplicar os bicos de injeção, ora em furos realizados com brocas de diâmetro específico, ora aderidos sobre a superfície do concreto, espaçados estrategicamente no caminho (path) da fissura; vedar a fissura ou quaisquer outros vazios que possam estar conectados com as fissuras na região entre bicos (ou próximos deles) com uma resina tixotrópica, geralmente a epoxídica; aplicar (injetar) nos bicos, uma resina mais fluida, ou até materiais inorgânicos; escolher uma direção de aplicação mais adequada ao material adotado e mais adequada em função do grau de preenchimento da fissura que se deseje. (a) (b) (c) Fig. 1 – Detalhe da sequência de atividades (a) realização dos furos; (b) aplicação dos bicos de perfuração; (c) colmatação das fissuras com resina tixotrópica   Existem duas situações gerais em que a injeção é adotada como forma de recuperação. A primeira ocorre quando é necessário colmatar uma fissura que esteja submetida a um fluxo de algum fluido, ou esteja na possibilidade de ocorrer (em muros de arrimo ou contenções em contato com água). Nessas situações, é mais indicado a utilização de selantes como material de injeção, as resinas acrílicas e poliuretânicas e/ou a resinas poliuretânicas hidro expansivas. Caso o fluxo seja atual e contínuo, primeiramente, injeta-se a resina hidro expansiva e depois o selante de poliuretano. Nessas situações as fissuras podem possuir causa ainda ativa, ou seja, fissuras cuja causa ainda não foi sanada. Na segunda situação, o objetivo é reestabelecer a monoliticidade do elemento estrutural, de modo que as transferência de carregamento ocorra normalmente e a rigidez do elemento estrutural seja reestabelecida.

Saiba Mais »

Arquitetos Importantes

Nascido em Sandrio, Italia no ano de 1891, Pies Luigi Nervi viveu sua infância entre paisagens cheias de geleira e caminhando entre picos nevados. Foi um jovem prodígio fascinado pela matemática e pelo cálculo convencional e isso deu seguimento a sua formação fazendo-o se inscrever para engenheiro civil na Bolonha. Uma vez concluída sua carreira, em 1913, o engenheiro se dedica a construção de fabricas e pontes de onde viajava constantemente entre Bolonha e Florença, acumulando experiências e conhecimentos. Os dias passaram entre suas viagens quando seus olhos foram abertos e toda a Itália encontrava-se sob a mudança no jeito de viver e sobreviver, estava se iniciando a Primeira Guerra Mundial. Ainda assim, essa infeliz situação não freou o trabalho de Nervi. Alistado no corpo de engenheiro, combateu de frente, onde sua engenhosidade e criatividade foram significativas para consertar pontes e construir caminhos essenciais em meio a Guerra. Dois anos depois de concluída a primeira Guerra mundial, fundou seu próprio escritório onde começou a ganhar fama e prestigio e teve seu primeiro grande feito, a construção do Cinema-Teatro Angus, uma sala onde se fez presente grandes produções cinematográficas de todo o mundo. Ao final do trabalho, ficou claro que os telhados seriam a sua marca registrada. A construção espetacular mostrava uma abertura para ficar no centro da obra onde um problema matemático complexo era resolvido. Em 1929, vence concurso de construção que lhe permitiu construir o estádio Municipal de Florença, também conhecido como Stadio Comunale Artemio Franchi. Ao concluir a obra, em 1932, as pessoas ficaram chocadas com a construção e com sua forma oval e assimétrica onde se destacava o teto tribuna. O convés se estendia para a frente, apoiando longas vigas de concreto em formas de X e que se escondiam entre as arquibancadas. Isso deixou um precedente

Saiba Mais »

Arquitetos Importantes

Eugène-Emmanuel Viollet-Le-Duc nasceu na capital Francesa no dia 27 de janeiro de 1814, vindo de uma família burguesa que cultivava a pratica das artes e cultura, iniciou sua carreira na área da arquitetura e no desenho no ano de 1830, onde seus estudos e experiencia vasta, lhe proporcionaram um domínio sobre estilos arquitetônicos, técnicas construtivas e sobre a arquitetura da idade média. Quando terminou os estudos, optou por aprender a pratica da arquitetura, Indo trabalhar no ateliê dos amigos Jean-Jacques Huvé e Achille Leclère, ao invés de estudar na (École des Beaux-Arts) Escola de Belas Artes, por achar que se tratava de uma escolha de estudo muito arcaica. Para aumentar o interesse e experiencia pela arquitetura medieval, decidiu fazer uma viagem pela Itália e França, aprofundando o conhecimento sobre a arquitetura Clássica e Grega. Sua carreira se consolidou principalmente na área do restauro, mais precisamente em catedrais e castelos medievais, se tornando um dos principais integrantes da comissão encarregada da preservação dos monumentos históricos. Em 1836, participou da restauração em Saint Chapelle, mais tarde considerado pelo próprio Viollet como um laboratório experimental. Seus trabalhos e experiencia se somaram com o passar dos anos com um currículo bastante vasto, podendo-se destacar a Igreja de Vézelay, Notre-Dame de Paris, Carcassone, Saint-Sernin de Toulouse, e Amiens. No ano de 1849 Viollet-Le-Duc e Mérrimée, publicaram uma introdução técnica sobre a restauração dos edifícios diocesanos. Texto considerado fundamental, tendo grande influência na formação de profissionais da área. No inicio de tudo, sua função se limitava apenas em restaurar as formas originais dos monumentos. Porém, mais tarde, passou a acrescentar aos edifícios elementos de sua própria autoria, passando a ser visto com reservas por arquitetos e arqueólogos do século XX. Foi nomeado inspetor geral dos edifícios diocesanos em 1853, ficando encarregado do resguardo de várias igrejas

Saiba Mais »