Qual a importância da manutenbilidade de um sistema, segundo os critérios da norma de desempenho?

A NBR 15.575/2013 – Edificações Habitacionais, mais comumente conhecida por Norma de Desempenho, vem causando grande alvoroço entre construtores, engenheiros e arquitetos da Indústria da construção civil, principalmente no setor habitacional.  Todos os empreendimentos de cunho habitacional, cujos alvarás de construção foram emitidos a partir de junho de 2013, estão submetidas aos critérios impostos por essa Norma.

A origem principal dessas discordâncias, encontra embasamento no conceito primordial da norma, originária das filosofias japonesas de qualidade total. Tais preceitos, demostram que existe a necessidade de responsabilidade solidária entre os envolvidos nos processos de concepção, fabricação, construção, uso e operação das edificações habitacionais. No entanto, algumas interpretações equivocadas, que equipararam as normas de desempenho com as normas prescritivas* em vigor, causaram muita confusão na correta implementação das atividades necessárias ao cumprimento dos critérios desse documento.

NBR 15.575/2013 nasceu do consenso da sociedade, acerca da necessidade da busca de soluções para transformar e qualificar o mercado habitacional brasileiro, cujos entes envolvidos ou não no processo de produção e operação das edificações foram partícipes das reuniões de estudo e definição da norma (Cbic/Sinduscons, Associações de Engenheiros e Arquitetos, IPT, Secovi, CEF, Entidades envolvidas com o meio ambiente, entre outros).

A norma não foi criada com o intuito de complicar ou até de aumentar as responsabilidades dos atores envolvidos no processo produtivo das obras, pelo contrário, um dos objetivos das normas de desempenho foi de determinar e dividir as responsabilidades das operações de construção e uso das edificações, que antes da publicação, não existiam, e eram decididas por longos litígios, sendo cada caso tratado de maneira específica.

Dessa forma, alguns requisitos tiveram que ser atribuídos, com o intuito de garantir a correta divisão das responsabilidades entre, projetistas, construtores e proprietários dos imóveis, sendo um dos principais critérios adotados pela NBR 15.575/2013 – Edificações Habitacionais — Desempenho Parte 1: Requisitos gerais, a manutenibilidade.

A manutenibilidade, termo pouco usado na construção civil até então, consiste em qualificar um sistema qualquer de uma edificação quanto à sua facilidade de manutenção. Objetivamente, quando um sistema de uma edificação, necessita que outro sistema seja acessado ou removido, a fim de que sejam realizadas as operações de manutenção, diz-se que esse sistema não possui boa manutenibilidade.

Como exemplo, podemos apresentar o sistema de impermeabilização de uma laje descoberta. A opção 1 seria a impermeabilização da laje com manta asfáltica, e a opção 2 um sistema de impermeabilização com uma membrana poliuretânica de alto desempenho.

Na opção 1, após a impermeabilização, seria aplicada uma proteção mecânica e ainda um revestimento cerâmico como acabamento. Na opção 2, a adoção da membrana de poliuretano seria aplicada diretamente sobre a laje desempenada, ou sobre um contrapiso adequado. Na opção 1, para que fosse realizada a manutenção do sistema impermeabilização da laje, os sistemas de proteção mecânica e de revestimento cerâmico teriam que ser demolidos. Na opção 2, essa remoção não seria necessária, já que a membrana citada serviria de revestimento e impermeabilização, dessa forma, a opção 2 estaria enquadrado perfeitamente dentro do critério de manutenibilidade estabelecido pela NBR 15.575/2013-1.

Qual importância desse fato?

A importância reside no fato de que a norma de desempenho NBR 15575/2013 – parte 1, também define o critério de vida útil e garantia, e que esses critérios estão atrelados à manutenção do sistema, ou seja, a vida útil definida para um sistema, só poderá ser atingida, caso as operações de manutenção ocorram na forma e na periodicidade pré-determinadas. Como é possível então, garantir a vida útil de um sistema que necessite de manutenção, e que essas operações venham a requerer a demolição ou remoção de outros sistemas?

Para responder à questão anterior, voltaremos ao exemplo acima na opção 1, cujo sistema de impermeabilização da laje descoberta seja a manta asfáltica. O anexo C da NBR 15575/2013-1, determina que a Vida Útil de Projeto Mínima (VUP) para o sistema de impermeabilização embutido seja de 20 anos, e para os pisos cerâmicos externos seja de 13 anos. Caso o fabricante da manta asfáltica exija, algumas operações de manutenção periódicas, para garantir a vida útil de produto, como seria possível acessar essa impermeabilização e realizar essas operações sem remover o revestimento cerâmico? E se a periodicidade dessas operações, exigidas pelo fabricante, fossem inferiores a 13 anos? A resposta é simples: O CONSTRUTOR TERIA QUE GARANTIR O SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO POR TODA A VIDA ÚTIL DE PROJETO, INDEPENDENTE DA MANUTENÇÃO, JÁ QUE O CONDOMÍNIO NÃO PODERÁ REALIZÁ-LA SEM DEMOLIR O SISTEMA REVESTIMENTO CERÂMICO.

*Norma Prescritiva: normas que prescrevem procedimentos operacionais

Fábio Giovanni

Engenheiro civil formado pela Universidade Federal da Paraíba, Membro do IBRACON, Alconpat e ACI, publicou vários trabalhos científicos em congressos e simpósios nacionais e internacionais, na área de construção de edifícios, gestão e gerenciamento da construção civil e patologia das estruturas.

Compartilhe

entre para nossa lista VIP e receba conteúdos com exclusividade

Veja mais

Análise Dinâmica das Estruturas: Vento (parte 01)

O recente terremoto que atingiu a Síria e a Turquia, causando um grande número de mortes, ganhou destaque em todo o mundo, incluindo o Brasil, especialmente entre os engenheiros. Eventos sísmicos como esse, despertam a atenção de profissionais que trabalham na área da engenharia estrutural, pois podem causar consequências graves para as edificações, além de perdas humanas e econômicas significativas. E no Brasil, será que haveria a necessidade de preocupação com terremotos ou ventos de alta velocidade? Antes de responder a essa pergunta, é importante explorar um pouco mais sobre o assunto. Nesse primeiro texto, será abordado a ação do Vento, sendo este uma das portas de entrada para a compreensão do comportamento dinâmico das estruturas. O Vento A disciplina que trata de ações que produzem vibrações nas estruturas é denominada de Análise Dinâmica. Geralmente, este assunto não está inserido na grade curricular dos cursos de Engenharia Civil, sendo abordado em programas de pós-graduação. Conceitos Básicos da Dinâmica das Estruturas de Edifícios Um problema de dinâmica estrutural difere de seu equivalente estático em dois importantes aspectos: o primeiro é a variação temporal, isto é, o carregamento e a resposta dinâmica variam com o tempo, o segundo trata-se do surgimento de forças inerciais, associadas às acelerações, forças de dissipação, usualmente associadas às velocidades.  As equações de movimento de um sistema podem ser obtidas utilizando o princípio de D’Alambert, que estabelece um equilíbrio dos esforços resistentes, de inércia, de amortecimento e do esforço externo aplicado para os graus de liberdade da estrutura. As equações diferencias do movimento são: Nota-se que a parcela estática ensinada na graduação em engenharia civil é; ku=F, sendo “F” as forças externas estáticas. Para resolver o sistema de equações diferenciais supramencionado emprega-se o modelo massa-mola, conforme a figura abaixo: que faz analogia ao sistema estrutural: A resolução dessa

Saiba Mais »

Técnica de injeção de fissuras

Em virtude da última postagem, recebi muitas mensagens pelo direct solicitando maiores explicações sobre a tecnologia de injeção de fissuras nas estruturas de concreto armado. Então, farei esta postagem pra explicar um pouco melhor.   A técnica consiste basicamente em se aplicar os bicos de injeção, ora em furos realizados com brocas de diâmetro específico, ora aderidos sobre a superfície do concreto, espaçados estrategicamente no caminho (path) da fissura; vedar a fissura ou quaisquer outros vazios que possam estar conectados com as fissuras na região entre bicos (ou próximos deles) com uma resina tixotrópica, geralmente a epoxídica; aplicar (injetar) nos bicos, uma resina mais fluida, ou até materiais inorgânicos; escolher uma direção de aplicação mais adequada ao material adotado e mais adequada em função do grau de preenchimento da fissura que se deseje. (a) (b) (c) Fig. 1 – Detalhe da sequência de atividades (a) realização dos furos; (b) aplicação dos bicos de perfuração; (c) colmatação das fissuras com resina tixotrópica   Existem duas situações gerais em que a injeção é adotada como forma de recuperação. A primeira ocorre quando é necessário colmatar uma fissura que esteja submetida a um fluxo de algum fluido, ou esteja na possibilidade de ocorrer (em muros de arrimo ou contenções em contato com água). Nessas situações, é mais indicado a utilização de selantes como material de injeção, as resinas acrílicas e poliuretânicas e/ou a resinas poliuretânicas hidro expansivas. Caso o fluxo seja atual e contínuo, primeiramente, injeta-se a resina hidro expansiva e depois o selante de poliuretano. Nessas situações as fissuras podem possuir causa ainda ativa, ou seja, fissuras cuja causa ainda não foi sanada. Na segunda situação, o objetivo é reestabelecer a monoliticidade do elemento estrutural, de modo que as transferência de carregamento ocorra normalmente e a rigidez do elemento estrutural seja reestabelecida.

Saiba Mais »

Arquitetos Importantes

Nascido em Sandrio, Italia no ano de 1891, Pies Luigi Nervi viveu sua infância entre paisagens cheias de geleira e caminhando entre picos nevados. Foi um jovem prodígio fascinado pela matemática e pelo cálculo convencional e isso deu seguimento a sua formação fazendo-o se inscrever para engenheiro civil na Bolonha. Uma vez concluída sua carreira, em 1913, o engenheiro se dedica a construção de fabricas e pontes de onde viajava constantemente entre Bolonha e Florença, acumulando experiências e conhecimentos. Os dias passaram entre suas viagens quando seus olhos foram abertos e toda a Itália encontrava-se sob a mudança no jeito de viver e sobreviver, estava se iniciando a Primeira Guerra Mundial. Ainda assim, essa infeliz situação não freou o trabalho de Nervi. Alistado no corpo de engenheiro, combateu de frente, onde sua engenhosidade e criatividade foram significativas para consertar pontes e construir caminhos essenciais em meio a Guerra. Dois anos depois de concluída a primeira Guerra mundial, fundou seu próprio escritório onde começou a ganhar fama e prestigio e teve seu primeiro grande feito, a construção do Cinema-Teatro Angus, uma sala onde se fez presente grandes produções cinematográficas de todo o mundo. Ao final do trabalho, ficou claro que os telhados seriam a sua marca registrada. A construção espetacular mostrava uma abertura para ficar no centro da obra onde um problema matemático complexo era resolvido. Em 1929, vence concurso de construção que lhe permitiu construir o estádio Municipal de Florença, também conhecido como Stadio Comunale Artemio Franchi. Ao concluir a obra, em 1932, as pessoas ficaram chocadas com a construção e com sua forma oval e assimétrica onde se destacava o teto tribuna. O convés se estendia para a frente, apoiando longas vigas de concreto em formas de X e que se escondiam entre as arquibancadas. Isso deixou um precedente

Saiba Mais »